Oncologia Naturopática

A especialidade

dividindo-proteínas-da-ilustração-do-conceito-d-pesquisa-oncologia-célula-cancerosa-com-ed

Terapias naturopáticas contra o câncer

  • IV Terapias

  • Vitamina C IV (ácido arcórbico)

  • Curmina IV

  • IV ALA (ácido alfa lipóico)

  • Visco

  • Terapias Metabólicas

  • Dieta Cetogênica

  • Metformina

  • Nutraceutico

  • Farmacêutico

  • Botânico

 

O que eu faço agora?

          Se você ou ente querido foi diagnosticado com câncer  você provavelmente já fez essa pergunta – o que eu faço agora – dezenas de vezes. Há tantas coisas envolvendo o diagnostico de câncer que tentar acompanha-lo pode fazer sua cabeça girar: A verdade simples é que não existe uma abordagem do tipo “tamanho único” para o câncer.

          Cada pessoa desenvolve câncer por um conjunto único de razões, de modo que o tratamento de cada pessoa é diferente. Esse é o caso mesmo que duas pessoas compartilhem o “mesmo” diagnóstico de câncer (como duas pessoas com câncer de mama, por exemplo).

          É fácil ver por que uma pergunta simples como “O que eu faço agora?” pode não ser tão simples afinal. Pode envolver várias rodadas de testes, tentando vários tratamentos para identificar qual tratamento funciona melhor no seu caso.

          Isso é verdade para os tratamentos convencionais e acreditamos que o mesmo se aplica a qualquer meio de afetar positivamente o seu resultado clínico.

         As terapias naturopaticas contra o câncer são projetadas para fazer exatamente isso. O medicamento naturopata empregado em plano de tratamento do câncer pode ter efeitos positivos no tratamento, qualidade de vida e sobrevivência geral. Isso é especialmente verdadeiro quando as terapias naturopáticas são usadas em conjunto com as terapias convencionais.

          Acredia-se ser importante tentar entender por que o câncer se desenvolveu, a fim de fornecer suporte personalizado para manter a suade durante o tratamento e maximizar os esforços para evitar a recorrência.

 

As terapias naturopáticas no tratamento do câncer são benéficas por uma série de razões:

  • Pode ser útil para minimizar os efeitos colaterais do tratamento convencional. Isso é especialmente útil nos casos em que os efeitos colaterais exigem que a dosagem ou a frequência do tratamento sejam reduzidas. Pode-se apoiá-lo e manter o tratamento sob controle.

  • Pode ser usada para apoiar o seu sistema imunológico sempre que apropriado.

  • Pode incluir terapias ou mudanças no estilo de vida que interferem no desenvolvimento ou retardar a disseminação do câncer no corpo.

  • Pode tornar o câncer mais suscetível aos tratamentos convencionais.

  • Pode proporcionar uma melhora notável na qualidade de vida .

 

Algumas terapias naturopáticas podem ter uma interação negativa com alguns tratamentos ou medicamentos convencionais. É por isso que é essencial entender quando não usar um tratamento naturopático específico ou quando ajustá-lo para ter o efeito pretendido. Os naturopatas entendem os mecanismos de ação do tratamento convencional e são especializados em integrar tratamentos naturopáticos em um protocolo integrativo mais amplo.

 

  • IV Terapias

As Terapias intravenosas (IVs) são uma maneira segura e eficaz de fornecer nutrientes e compostos terapêuticos diretamente às células através da corrente sanguínea.

A maioria dos agentes quimioterápicos é administrada por via intravenosa, por tanto, é um método bem conhecido de administração de compostos em uma forma altamente disponível.

Existem vários motivos pelos quais os medicamentos ou suplementos tomados por via oral podem não atingir o efeito pretendido. Por exemplo, uma pessoa com um sistema digestivo comprometido pode não ser capaz de absorver os suplementos de forma eficaz quando tomados por via oral.

O aumento da quantidade de um suplemento ingerido pode, eventualmente, atingir um nível de absorção alto o suficiente para produzir o efeito terapêutico pretendido; mas frequentemente, níveis elevados de suplementação oral trazem o risco de efeitos colaterais indesejados, como náuseas, azia e diarreia .

As terapias IV tendem a evitar esses efeitos colaterais e permitir a absorção máxima de quaisquer nutrientes ou compostos que estão sendo administrados.

 

Para pessoas com câncer as terapias IV é um tratamento de primeira linha, porque permitem fornecer nutrição, bem como agentes anticâncer e anti-inflamatórios de forma rápida e eficaz.

Um ponto intrigante a se notar é que as terapias IVusadas no serviço naturopático podem aumentar a eficácia dos tratamentos convencionais (quimioterapia, radioterapia, produtos biológicos) e /ou diminuir os efeitos colaterais.

Qualquer diminuição dos efeitos colaterais experimentados por uma pessoa com câncer se traduz em um ganho automático na qualidade de vida. Além disso, às vezes as pessoas precisam ter suas doses de quimioterapia reduzidas devido aos efeitos colaterais severos que experimentam. Isso significa que menos medicamento é administrado para combater o cancer’. Por meio de uso direcionado da terapia intravenosa, pode-se apoiar uma pessoa com câncer e não apenas mantê-la se sentindo melhor, mas permitir que ela permaneça no curso e receba todos os benefícios dos tratamentos convencionais.

 

Pontos importantes sobre a terapia IV:

  • A terapia IV é uma forma segura e eficaz de fornecer nutrientes e compostos terapêuticos a nível celular;

  • A terapia IV permite níveis sanguíneos muito mais elevados do que os que poderiam ser alcançados com a suplementação oral;

  • A administração IV evita os efeitos colaterais que acompanham a suplementação oral em altas doses;

  • Os naturopatas entendem o mecanismo de ação das dores convencionais que as pessoas estão tomando e ajustam a administração IV para apoiar e maximizar o efeito das terapias convencionais que estão sendo usadas;

  • Usa-se terapia IV para apoiar a pessoa com câncer e maximizar a capacidade de cura do corpo.

 

Vitamina C IV (ácido ascórbico)

          A vitamina C intravenosa (IV C) é uma terapia comumente prescrita em especialistas em naturopatia, os naturopatas são especialistas em saber como usá-la de maneira adequada e eficaz.

          O Prêmio Nobel, Linus Pauling, foi o primeiro a explorar os muitos benefícios da vitamina C na década de 1970. Desde então, tornou-se uma das terapias mais utilizadas e pesquisadas em oncologia naturopata. A administração intravenosa de vitamina C é útil por 3 razões principais, como VCI:

  1. Permite que os níveis sanguíneos sejam até 70 vezes mais altos do que você pode obter com a suplementação oral;

  2. Esses níveis sanguíneos elevados são necessários para fornecer os efeitos anticancerígenos da vitamina C;

  3. Altas doses de vitamina C oral podem causar distúrbios gastrointestinais e a VCI evita esse efeito colateral desconfortável, permitindo a administração de doses muito altas.

 

Como funciona o IV C?

Verificou-se que o IVC tem os seguintes efeitos anticâncer:

 

  1. Pode ser seletivamente tóxico para as células cancerosas;

  2. Anti-inflamatório: a redução da inflamação pode privar as células cancerosas de alimentos e energia para que proliferem e sobrevivam. A redução da inflamação também ajuda a aliviar a dor e pode reduzir ou eliminar a necessidade de alguns medicamentos para a dor, incluindo opiáceos.

  3. Antiangiogênica: ao inibir o processo pelo qual as células cancerosas produzem novos vasos sanguíneos (angiogênese), essas células podem ficar sem os nutrientes de que precisam para sobreviver e crescer e, portanto, se tornam mais suscetíveis a quaisquer tratamentos anticâncer (naturais ou convencionais) como bem mais suscetível a um ataque imunológico.

  4. Imunoestimulante: os naturopatas sabem muito bem como estimular o sistema imunológico. O uso de IV C continua sendo uma das maneiras mais consistentes e confiáveis de melhorar o numero de células do sistema imunológico, bem como a função dessas células.

  5. Pode ajudar a reduzir a disseminação metastática fortalecendo o tecido conjuntivo circundante. Quando usado sozinho ou em combinação com o tratamento convencional de vitamina C, vários benefícios, incluindo:

  • Melhorar a qualidade de vida;

  • Reduzindo os efeitos colaterais resultante do tratamento;

  • Prolongando a sobrevivência

  • Estimular o sistema imunológico

  • Aumentar a eficácia de alguns quimioterápicos.

 

Deve-se notar que muitas das pesquisas feitas sobre a vitamina C foram feitas em células ou em modelos animais. No entanto, nos últimos anos, estudos em humanos foram realizados e os resultados têm sido promissores.

O Dr. Rubin, naturopata sênior e diretor médico, é líder mundial no uso de IVC e publicou recentemente um artigo detalhado sobre os benefícios da IVC no tratamento de suporte de pacientes com câncer. Muitos anos de prática clinica e uso em milhares de pacientes confirmam ainda que esta terapia oferece inúmeros benefícios.

Os naturopatas entendem não apenas os benefícios da IVC, mas também quando não devem usá-la como parte de um plano de tratamento. A vitamina C  em altas doses tem vários efeitos promissores em pessoas com câncer, mas não é adequada para todos, o tempo todo. É importante que você encontre um naturopata que entenda e se comunique de forma eficaz com os outros médicos e membros de equipe de oncologia, pois o IVC pode interagir com certos medicamentos quimioterápicos .

 

Curcumina IV

          A curcumina, também conhecido como diferuloylmetane, é um polifenol pigmentada amarela que dá açafrão e, em menor grau, gengibre sua cor amarela.

          A maioria das formas de curcumina é mal absorvida quando tomada via oral (as novas formulações estão cada vez melhores), mas quando administrada por via intravenosa há 100% de absorção. A curcumina tem uma infinidade de efeitos no corpo humano devido aos seus efeitos por meio de várias vias diferentes.

          Como poderoso anticâncer e anti-inflamatório, a curcumina é um dos agentes naturais anticâncer mais bem estudados e de ação ampla do planeta. A curcumina inibe pelo menos 10 vias de câncer. Aqui está uma sinopse simplificada das formas como a curcumina interage com alguns deles:

Principais Termos Definidos

Caminho do câncer: refere-se aos caminhos biológicos que as células cancerosas usam para crescer, se dividir e metastizar.

Espécies reativas de oxigênio

(ROS): ROS são compostos químicos que contêm oxigênio que podem causar danos celulares. ROS são produzidos normalmente em nosso corpo, mas os fatores ambientais como a exposição à radiação, podem aumentar significativamente sua produção, levando a danos celulares generalizadas.

P53 e Bax: Ambod p53 e Bax são proteínas que podem fazer com células danificadas ou mutadas sofram morte celular programada. Mutações nessas proteínas ou em suas vias podem levar à replicação celular contínua em células aberrantes ou danificadas, o que pode levar à cancinogênese.

Atividade antioxidante – a curcumina pode inibir a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS) e atua como um eliminador de radicais livres. Os radicais Livres podem causar danos ao DNA diretamente, o que pode levar ao desenvolvimento de câncer.

Inflamação – a curcumina suprime a ativação do fator nuclear Kappa beta (NF-KB), que é uma das principais vias inflamatórias do corpo. Também suprime as vias inflamatórias COX-2 e INOS. Está bem estabelecido que a inflamação crônica pode levar ao desenvolvimento de câncer. Portanto, ao suprimir a inflamação, a curcumina pode inibir a formação de câncer.

Angiogênese – A medida que os canceres crescem, eles precisam criar seu próprio suprimento de sangue. Eles fazer isso liberando uma proteína conhecida como fator de crescimento endotelial vascular (VEGF), que estimula a formação de novos vasos sanguíneos. A curcumina inibe o VEGF, evitando assim a formação de novos vasos sanguíneos.

Invasão – À medida que o câncer cresce, ele pode invadir o tecido circundante. Eles fazem isso liberando metaloproteínases de matriz (MMPs) que quebram a estrutura que mantem as células unidas permitindo que as células cancerosas cresçam neste espaço recém-criado. A curcumina inibe a liberação de MMP -9 e MMP-10, o que pode prevenir a invasão do câncer.

Crescimento – Uma das marcas do câncer é a sinalização de crescimento regulada positivamente. Isso é mediado pela via do mTOR (também chamado de alvo mamífero) da rapamicina e alvo mecanístico da rapamicina), que é expresso constitutivamente em canceres. Foi descoberto que a curcumina inibe a via do mTOR que, por sua vez, pode prevenir o crescimento do tumor.

Apoptose – Outra marca registrada do câncer é que o câncer não responde à sinalização de morte celular normal (conhecida como apoptose). A curcumina regula positivamente a expressão de p53 e Bax, que podem induzir a morte celular em células cancerosas.

E, mais um aspecto muito importante da terapia com curcumina descobriu-se que aumenta a eficácia e diminui os efeitos colaterais das terapias convencionais comuns, como radioterapia, docetaxel, FOLFOX, gencitabina, capecitabina e gefitinibe.

 

IV ALA (ácido alfa lipóico)

          O ácido alfalipóico (ALA) é um composto que ocorre naturalmente em nossos corpos em pequenas quantidade. Porém, quando produzido pelo corpo, o ALA está ligado às proteínas e não é bioativos. Acredita-se que apenas o ALA livre, a forma suplementada, tenha efeito terapêutico.

          Historicamente, o ALA tem sido pesquisado por seu efeito antioxidante. Foi descoberto que o ALA neutraliza oxidantes reativos prejudiciais no corpo, como espécies reativas de oxigênio (ROS).

         ROS são compostos químicos contendo oxigênio que podem causar danos celulares. ROS são produzidos normalmente em nosso corpo, mas os fatores ambientais, como a exposição à radiação, podem aumentar significativamente sua produção, levando a danos celulares generalizados.

        O ALA também regenera outros antioxidantes, como vitamina C, E, glutationa, COQ10 e possivelmente vitamina A. uma das áreas mais bem estudadas do ALA é o tratamento da neuropatia. Foi descoberto que o ALA melhora o fluxo de sangue em pequenos vasos próximos aos nervos, ao mesmo tempo que reduz o estresse oxidativo que previne ainda mais os danos

          Outro mecanismo potencial é que o ALA impede a peroxidação lipídica (rancidificação das gorduras em nossos corpos), que é uma causa conhecida de neuropatia.

         A neuropatia ´e um efeito colateral comum de numerosas quimioterapias, especialmente regimes que contêm taxanos e compostos de platina. Estudos demonstraram que a suplementação de ALA durante essas quimioterapias pode prevenir e reverter a neuropatia.

          Dr. Rubin foi dos primeiros médicos naturopata a publicar sobre o uso de ALA intravenosa clinicamente como um agente anticâncer. Ele também é um dos poucos médicos a publicar estudos mostrando que o IV ALA pode ser um tratamento eficaz em alguns tipo de câncer.

 

Visco

          Na Europa, o visco é amplamente utilizado ni ambiente de oncologia onde se constatou que ele fornece inúmeros benefícios. Descobriu-se que tanto as visotoxinas quanto as lectinas inibem o crescimento das células cancerosas e causam a morte dessas células. Além disso, descobriu-se que o visco aumenta o número de células imunes anticâncer circulantes e, ao mesmo tempo, melhora o seu funcionamento.

         A terapia com visco foi encontrada em vários estudos para aumentar a qualidade de vida em pessoas com câncer, pelas razões listadas acima, bem como reduzindo os efeitos colaterais experimentados com a terapia convencional.

         A terapia com visco pode ser usada em conjunto com tratamentos convencionais, com quimioterapia e radioterapia. A pesquisa atual indica que o visco pode realmente aumentar a eficácia desses tratamentos de quimioterapia e radioterapia, uma das razões pelas quais ele é comumente usado no meio dos naturopatas.

         Outra razão para considerar a terapia com visco é que ela pode ajudar a aumentar a sobrevivência global. Um estudo mostrou que pessoas com câncer em terapia com visco sobreviveram 40% mais do que aquelas que não fizeram terapia com visco. Em alguns casos, o uso da terapia com visco demonstrou levar à estabilização da doença e até mesmo à remissão. A terapia com visco foi estudada em pacientes  com câncer de mama, câncer de pâncreas, câncer de colorretal, câncer de ovário, câncer de pulmão  e melanoma.

Fatos rápidos sobre o visco:

          Viscum álbum L, é uma planta nativa da Europa que cresce em árvores decíduas. É uma planta semiparasitária que agora cresce  por conta própria, tem que “carona” em uma arvore. Viscum álbum L é das terapias naturopata mais prescrita na Europa e é comumente usada junto a terapia convencional na Alemanha e na Suíça.

          Dependendo de sua árvore hospedeira, da época do ano em que é colhida e de seumétodo de processamento viscum contém numerosos e vários compostos altamente ativos, como lectinas específicos, viscotoxinas e polissacarídeos, todos os quais podem fornecer benefícios únicos para pessoas com câncer ou outras condições.

         O visco pode ser administrado por injeção subcutânea ou intravenosa. Geralmente são injetados nos pacientes por via subcutânea. Isso torna a terapia econômica.

 

Terapias Metabólicas

          O câncer é identificado como o crescimento e divisão descontrolados de células aberrantes. uma das principais característica dessas células aberrantes é que todas têm metabolismo energético prejudicado. Tem havido alguma discussão de que alguns tipos de câncer se desenvolvem devido a mitocôndrias danificadas, as “fabricas” produtoras de energia de nossas células. Embora isso permaneça como uma hipótese, acredita-se que o tratamento em nível metabólico é uma consideração  importante para todas as pessoas com câncer.

          Na década de 1920, o fisiologista alemão e ganhador do Nobel Dr. Otto, Warburg notou que as células cancerosas estão em um estado continuo de glicose aeróbica devido ao aumento de taxa de crescimento.

Veja por que isso é importante

         As células que constituem nosso corpo têm mais de uma maneira de produzir energia.

         Geralmente, eles preferem envolver o oxigênio em sua produção de energia. Quando a quantidade de oxigênio que nossas células realmente recebem é reduzida (talvez devido a um treino extenuante), nossas células são capazes de mudar o mecanismo que usam para produzir a energia de que precisam para funcionar.

          Em vez da forma normal e mais eficiente (utilizando oxigênio), eles mudam para um método ineficiente de “fermentar” a glicose em lactato. É esse lactato (ou ácido láctico) produzido como subproduto que faz com que você “sinta a queimação” e eventualmente, desacelere enquanto se exercita.

         O corpo não foi projetado para funcionar dessa forma aeróbica indefinidamente e, mais cedo ou mais tarde, os sinais que você recebe como fadiga e “queimadura”, fazem com que você pare o exercício, desse e volte a depender de oxigênio para produzir energia.

          O Dr. Warburg médico americano descobriu que o processo de fermentação do lactato não está apenas presente em quase todas as células cancerosas, mas é seu método preferido de produção de energia, mesmo na presença de oxigênio.

          O lactato, como um subproduto de produção de energia da célula cancerosa, ativa ainda mais oncogenes (genes causadores do câncer e genes relacionados) e causa mutação no DNA (a base do desenvolvimento do câncer). Conforme o lactato é transportado para fora das células cancerosas, ele infecciona na área local ao redor das células cancerosas/tumor e cria um microambiente ácido que pode aumentar e promover a taxa de crescimento do câncer.

         O processo de fermentação da glicose em lactato é altamente ineficiente e, para ser capaz de fazer isso, as células cancerosas requerem grandes quantidades de glicose. É por isso que você deve ter ouvido que “as células cancerosas se alimentam de açúcar”. Embora tenha sido descoberto que as células cancerosas podem ser alimentadas por vários substratos, acredita-se que, se pudermos limitar a fonte de combustível preferido das células cancerosas e interferir na forma como elas produzem energia, pode-se retardar seu crescimento.

          Ao interferir na maneira como as células cancerosas produzem energia, pode-se inibir seu crescimento e torna-las vulneráveis.  Terapias como o ácido alfalipóico, a dieta cetogênica, o oxigênio hiperbárico e certos produtos farmacêuticos off-label, bem como agentes naturais (suplementos) pode interferir na maneira como as células cancerosas produzem energia. Isso torna as células cancerosas mais suscetíveis à morte celular pelo sistema imunológico e por terapias convencionais, como radioterapia e quimioterapia.

 

Dieta Cetogênica

         Uma das terapias metabólicas usadas como adjuvante no tratamento do câncer é a dieta cetogênica. Uma dieta cetogênica se refere a uma dieta rica em gordura (60% - 80% das calorias), baixa a moderada em proteínas (15% - 25% das calorias) e pobre em carboidratos (5% - 10% das calorias).

         O objetivo de uma dieta cetogênica é reduzir o nível de glicose no sangue do corpo para que ele passe a usar corpos cetônicos como fonte de combustível em vez de glicose. Muitos tipos de câncer não podem usar eficazmente os corpos cetônicos como fonte de combustível. Isso retarda seu crescimento e os torna mais vulneráveis a outras terapias.

         Foi demonstrado que uma dieta cetogênic retarda o crescimento do câncer ao diminuir os níveis de IGF-1 e inibir o mTOR, ambos estimulando o crescimento das células cancerosas. Foi demonstrado que uma dieta cetogênica inibe o crescimento dos vasos sanguíneos das células cancerosas, bem como diminui a inflamação.

         As cetonas também podem ser diretamente tóxicas para as células cancerosas. Pesquisas recentes mostraram que uma dieta cetogênica pode até melhorar o sistema imunológico, o que pode combater ainda mais o câncer.

         Os ensaios em humanos até agora olhando para a dieta cetogênica e câncer está faltando devido aos muitos desafios de realizar um estudo baseado em dieta. No entanto, há boas evidencias de que uma dieta cetogênica é benéfica em canceres  de cérebro, reto e pulmão:

  • Dois pacientes pediátricos submetidos a dieta cetogênica tiveram diminuição da capacitação de glicose pelas células tumorais. Ambos os pacientes observaram melhorias clínicas e um experimentou uma remissão estável após 12 meses de dieta.

  • Dez pacientes com câncer incurável foram colocados em uma dieta cetogênica. Após 28 dias, metade doa pacientes apresentou remissão estável ou parcial.

  • Onze pacientes com câncer avançado foram colocados em uma dieta cetogênica e foi descoberta que após 4 semanas 54,5% dos pacientes apresentavam doença estável ou melhorada.

  • Seis pacientes submetidos a radioterapia foram colocados em uma dieta cetogênica. Cinco dos seis com câncer em estagio inicial apresentaram regressão do tumor.

        

        O que não pode ser exagerado é que a dieta cetogênica não é uma cura para o câncer, mas sim uma parte de um plano abrangente de tratamento do câncer.

        No entanto, pode ser usado como uma ferramenta terapêutica para ajudar a controlar e potencialmente reduzir os tumores, bem como aumentar a eficácia e diminuir os efeitos colaterais da terapia convencional.

 

Metformina

        

No inicio dos anos 2000, foi descoberto que pacientes com diabetes que também tomaram metgormina tinham taxas reduzidas de câncer. Desde então, estudos epidemiológicos mostraram que a metgormina reduz significativamente a incidência e mortalidade em vários tipos de câncer. A pesqisa descobriu que a metfformina atua inibindo o crescimento das células cancerosas e causando a morte das células cancerosas ao inibir uma via biológica que as células cancerosas exploram, chamada ‘via mTOR’. Quando a via mTOR é regulada positivamente, ela promove o crescimento celular desregulado, por isso é uma função importante a ser monitorado.

A metformina foi indicada para:

  • Alvo células-tronco cancerosas (reduzindo sua capacidade de sobreviver)

  • Aumenta a eficácia de algumas quimioterapias, e

  • Resistência à quimioterapia reversa em algumas células cancerosas.

 

A metformina está em uso clínico há muitos anos e é uma terapia segura e eficaz. Tem-se observado um beneficio no uso de metformina como parte de um protocolo metabólico anticâncer abrangente, quando indicado.

 

Nutracêuticos

         

Nutracêuticos referem-se a produtos naturais altamente refinados e fortemente potentes que normalmente contêm um único ingrediente derivado de uma fonte dietética ou botânica. Os nutracêuticos costumam ter como objetivo efetuar processos muito estratégicos no corpo.

         Deve-se se ter cuidado ao se aventurar no reino dos nutracêuticos pelo menos pelas seguintes razões: A palavra nutracêutico não é coberta pela legislação dos EUA, portanto, os itens comercializados como nutracêuticos podem ou não conter o que é anunciado nos rótulos dos produtos. Em alguns casos mesmo que um produto contenha o que é anunciado, ele pode não estar em uma forma que seja prontamente absorvida pelo corpo, de modo que o efeito terapêutico real pretendido nunca será alcançado. É altamente recomendável obter nutracêutico de uma fonte confiável, como os obtidos especificamente em farmácia de manipulação ou empresa de marca.

         Como os nutracêuticos têm o potencial de afetar processos muito específicos no corpo, eles podem não ser benéficos em um tipo especifico de câncer ou ao lado de certas terapias convencionais. Em alguns casos, certos agentes podem até ser bastante prejudiciais ou interferir em outros tratamentos que o paciente possa estar fazendo.

           Entende-se que as pessoas querem fazer todo o possível para apoiar a saúde, especialmente quando se passa por uma crise de saúde, como uma batalha contra o câncer. Estima-se que mais de 50% de todas as pessoas com câncer usam cuidados complementares e integrativos ou naturopáticos antes, durante e após o diagnóstico.

         Embora o interesse em sua própria saúde seja um fator chave para manter um estilo de vida saudável, o uso não orientado de nutraceuticos pode apresentar riscos. Por exemplo, as pessoas com câncer que vêm às clinicas naturopática ou consultório naturopáticos na primeira consulta geralmente trazem consigo uma lista dos suplementos, incluindo nutraceuticos, que estão tomando em relação ao seu programa de saúde. Muitos deles estão se automedicando fazendo pesquisa na internet ou lendo rótulos em lojas locais de alimentos naturais e escolhendo qualquer coisa que seja comercializada como benéfica. Frequentemente, se alega ajudar, eles saltam sobre ele.

          È muito importante consultar um naturopata ou médico qualificado que saiba identificar não apenas os suplementos mais eficazes em qualquer circunstancia, mas também quais suplementos são mais benéficos (ou perigosos).

         Os naturopatas usam apenas marcas profissionais de suplementos que podem garantir que têm a potencia e eficácia correta que o paciente pode precisar.

         É necessário um conhecimento profundo dos tratamentos convencionais (quimioterapias, radiação, etc.), bem como um conhecimento profundo dos nutraceuticos para integrá-los com segurança em um protocolo de tratamento do câncer. Muitas pessoas com câncer são encaminhadas à clinicas ou consultórios naturopáticos por médicos convencionais exatamente por esse motivo. Acredita-se que para serem usados com segurança e eficácia, os nutraceuticos devem ser monitorados e recomendados por um especialista.

 

Farmacêutica

          Os naturopatas prescrevem todo o medicamento que é extraído da natureza, na prática os naturopatas se destacam em ajudar as pessoas a reduzir o número de medicamentos prescritos que podem precisar; na área da oncologia, há momentos em que uma abordagem estritamente naturopática simplesmente não pode fornecer o que a pessoa com câncer precisa naquele momento especifico.

         O atendimento que se presta é sempre individualizado, sempre personalizado. Isso inclui entender quando uma pessoa com câncer é mais bem servida por uma abordagem farmacológica (ou outra). Embora quase sempre haja coisa que a naturopatia cientifica pode ajudar a modular e melhorar, há muitos produtos farmacêuticos, como analgésicos, antibióticos, medicamentos anti-nauseas e esteroides que podem melhorar muito a qualidade de vida dos pacientes ou, em alguns casos, até mesmo salvar vidas.

         Em alguns países como no Estados Unidos – Arizona, os naturopatas têm o direito de prescrever medicamentos. Os naturopatas entendem o mecanismo de ação dos fármacos e suas interações com o estado de doença em que são aplicados. Além disso, em alguns casos, pode usar produtos farmacêuticos de forma ‘off-label’.

           O uso de um produto farmacêutico é considerado ‘off-label’ quando é usado para uma indicação, faixa etária, dosagem ou via de administração diferente daquela a que se destina especificamente um exemplo de uso off-label de medicamentos prescritos pode ser visto na seção metformina.

          Nesse caso, a metformina, que é especificamente projetada e fabricada como um medicamento antidiabético às vezes é usada pelos naturopatas por causa da droga também tem efeitos específicos, previsíveis e bem conhecidos em certos tipos de câncer. Embora ‘off-label’ possa parecer assustador no inicio, é na verdade uma prática bastante comum que medicamentos prescritos sejam dados a pessoas por razões diferentes da condição especificado pelo fabricante, no caso se o médico oncologista acreditar que um medicamento off-label pode beneficiá-lo em seu caso especifico, ele irá informa-lo sobre o motivo pelo qual ele acredita que há evidências para apoiar seu uso.

 

Botânicos

         Os naturopatas são amplamente preparados no uso de botânicos (fitofármacos) no cuidado do paciente e, portanto,, são capazes de incorporar varias preparações e encaminhado a farmácia de manipulação aos planos de tratamento. Quando usados apropriadamente, os botânicos podem frequentemente ser usados junto com certas terapias convencionais para aumentar o efeito desejado ou para reduzir um efeito colateral experimentado pelo tratamento.

          Em alguns casos, os botânicos podem até ser usados no lugar de um medicamento convencional para obter um efeito terapêutico semelhante ou até superior e, muitas vezes, sem efeitos colaterais comuns à terapia convencional.

         Os naturopatas usam produtos botânicos em varias formas, incluindo, mas não se limitando a:

  • Tinturas (líquidos orais)

  • Tópicos

  • Cápsulas

  • Injetáveis: (Estes são apenas por prescrição e podem ser usados por via intravenosa ou via de injeção).

        

Muitos botânicos modificam a maneira como o fígado processa composto como medicamentos, o que é uma das razões pelas quais certos botânicos podem aumentar ou diminuir a eficácia de certos medicamentos prescritos ou terapias convencionais. É importante falar com um oncologista naturopata que esteja familiarizado com botânicos e terapias convencionais para determinar quais botânicos são seguros e eficazes para tomar no seu caso.

          O interesse pela medicina botânica ou fitofarmacológico continua crescendo. Estima-se que mais de 50% das pessoas com câncer estejam usando alguma forma de medicina botânica. No entanto, com o aumento da popularidade dos botânicos, não faltam pessoas fornecendo informações incorretas ou exagerando nas informações sobre o uso de botânicos no tratamento do câncer. Embora muitas pessoas identifiquem substancias naturais com segurança, o oposto pode, de fato, ser verdadeiro; especialmente nos casos em que os produtos botânicos podem interagir negativamente e prejudicar a eficácia dos planos de tratamento convencionais.

Faça o agendamento online. É fácil, rápido e seguro.